segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Alma no Exílio – Eldrigde Cleaver




Sobre o autor: Eldrigde Cleaver ficou aproximadamente nove anos preso, saiu e tornou-se um dos mais importantes membros dos Panteras Negras, morreu em 1998 aos 62 anos.

Escrito entre a metade da década de 50 e o fim da década de 60, este livro que virou best seller, Alma no Exílio (Soul on Ice) é uma obra de extrema importância para todos que gostariam de conhecer e até mesmo entender a mentalidade de um jovem negro, vivendo durante o período de luta em prol dos direitos civis afro-americanos, revoltado com o sistema branco que impera nos Eua, e no mundo, e devido à busca pelo conhecimento autodidatamente, iniciando-o no espaço de tempo em que esteve preso, torna-se também um homem politizado que consegue fazer analogias brilhantes entre a luta pela liberdade travada pelos vietnamitas, na Guerra do Vietnã, e os inúmeros protestos protagonizados pelos negros americanos, desde Rosa Parks até o incêndio de Watts, em busca da igualdade, conquistada apenas no papel.

Rosa parks logo após recusar-se a ceder seu lugar a uma pessoa branca.

Cleaver inicia sua história em uma penitenciária. Acusado de posse de maconha, fora preso aos 18 anos. Dentro da cadeia, vive um grande conflito psicológico, revoltado, quer renunciar todos os valores da sociedade branca dominante, porém não consegue repudiar sua atração à mulher branca. Padrão de beleza no mundo branco, ele trava uma relação de atração-ódio, senti-se atraído, mas odeia sentir-se. Devido à isso, no momento em que é solto, torna-se um estuprador. “O estupro era um ato de insurreição”, relata Eldrigde. Fazendo-o ele ignorava a lei do homem branco, os seus valores, assim vingaria todas as mulheres negras que foram estupradas por seus senhores. Não demorou muito para voltar à prisão, só sairia após nove anos. Chegando, começou a rever seus atos, admitiu o erro, “... não podia aprovar o estupro. (...) Perdi o auto-respeito. (...) Eis porque comecei a escrever. Para salvar a mim mesmo.” E conseguiu! Conseguiu ser um homem livre. Livre de estado, mas principalmente de espírito. Conseguiu quebrar as correntes que o e/ou nos aprisiona à dominação ideológica branca, impondo seus conceitos, juízos e valores. Eldrigde quebrou. Eu quebrei. Você quebrou?
É excelente o modo como Cleaver consegue unir em um mesmo texto, linguagem formal e gírias, deixando-o enriquecido, dando um ar peculiar a seus escritos.

Panteras Negras em uma entrevista, com Cleaver ao fundo

Convertido ao islã e grande admirador de Malcolm X, Eldrigde nos descreve como foi sua reação perante a noticia do fatídico assassinato: “O que se diz a seus camaradas no momento em que O Líder cai? Todos os comentários parecem irrelevantes.” Para ele a imagem de Malcolm teria sido triunfal ainda que se tornasse “um católico, ou adventista, ou um judeu” (Faço uma ressalva para dizer que mais tarde Cleaver converteu-se ao Cristianismo.) “... porque o que era grande não era Malcolm X, mas a verdade que ele proclamava.” Toda essa admiração não era destinada a outro grande líder da época, Martin Luther King Jr. Ainda que suas críticas não ocupem um parágrafo inteiro elas existem. Comentando a respeito do Prêmio Nobel de King, Eldrigde afirma: “os únicos negros americanos que se permitiu alcançar fama internacional foram os fantoches da estrutura do poder branco, os artistas e atletas.” Reparem que essa afirmação, feita a mais de 50 anos atrás, torna-se atual para o Brasil, hoje. Pois os negros que são ouvidos pela grande mídia são os que não tem nada de relevante para falar. Então ouvimos Neymar afirmar que desconhece os candidatos à presidência e Alexandre Pires dizer que não tem mais “cabelo de crioulo”, e que "muita gente preguiçosa espera a cota cair do céu”...


Durante sua pesada e contundente crítica à Guerra do Vietnã, Cleaver elabora uma metáfora interessante, os afro americanos “constituem um cavalo de Tróia negro na América branca” que juntos são uma grande força, porém desorganizados e divididos são fracos. Nós, afro brasileiros, também. Somos uma grande força, desorganizada e dividida.


Não posso deixar de citar o escrito, no mínimo emocionante que finaliza o livro; A Todas as Mulheres Negras de todos os Homens Negros,
http://waalde.blogspot.com/2009/05/alma-no-exilio.html, muito bem elaborado, muito bem feito, muito bom.

A grande mensagem que ele nos deixa é que a luta deve ser contínua e ininterrupta, “Alcançaremos nossa condição humana. Ou a terra será arrasada por nossas tentativas de conquistá-la.” Eldrigde Cleaver.



5 comentários:

cinthia rayane disse...

Gostei muito da iniciativa de fazer um blog dessa forma.Que foca assuntos que vale apena se envolver ao contrario de blogs que só falam sobre assustos superfolos.Parabéns continuem assim.

cinthia disse...

Parabéns pela iniciativa que criar um blog que tenha conteudo e que não trata de coisas simplismente superfolas, sem o menorconteudo .Continuem assim pra béns

Anônimo disse...

Ate agora estou gostando das postagens confesso q ate me interessei em ler esse livro....
blog tb é cultura!! ^^



Maeve

GILSON REGO disse...

Pessoal parabéns pelo blog, grande iniciativa!
Alguem sabe informar se o livro "alma no exiio" pode ser encontrado em pdf?

Richard Christian disse...

grato, Gilson. não sabemos se está disponível em formato digital.

Postar um comentário

 
Copyright © 2009 Ofensiva Negritude All rights reserved. Powered by Blogger
Blogger Template by Anshul